Cidades pequenas matam mais no trânsito

Número de óbitos decorrentes de acidentes em cidades menores é maior que em grandes centros. Fiscalização precária é um dos problemas no trânsito das pequenas cidades
Callao

Callao investiu em tecnologia e educação para o trânsito e reduziu drasticamente o número de acidentes e mortes

Engarrafamentos que se estendem por quilômetros, acidentes, buzinas, muitas rotatórias e passarelas. A descrição retrata, em linhas gerais, o cotidiano de grandes metrópoles. O trânsito caótico nas cidades mais populosas é pauta recorrente na mídia, assunto nas rodas de amigos e não é novidade para ninguém. E nos pequenos municípios? Como é o trânsito? >>>Leia+Mais

Trânsito fatal para crianças

Trânsito é a principal causa de morte acidental entre crianças de zero a 14 anos no Brasil. Entre 2014 e 2015, houve uma redução nessas ocorrências, mas números ainda são preocupantes
Renato Campestrini

Renato Campestrini, gerente técnico da ONSV

Os acidentes que mais matam crianças no país são queda, afogamento, sufocação, queimadura, envenenamento e trânsito. De todos, o trânsito é o maior ofensor. De acordo com dados da ONG Criança Segura, entre 2014 e 2015, houve uma diminuição desses casos e os óbitos passaram de 1.654 para 1.389 – o que representa uma redução de 16%. No entanto, apesar desta redução, os sinistros em ruas, estradas e rodovias ainda são o tipo de acidente que mais provoca mortes acidentais de crianças até 14 anos no Brasil. As estatísticas, altas e assustadoras, podem ser revertidas com mais consciência, respeito às leis de trânsito e educação. É o que diz o especialista ouvido pela Perkons, empresa que desenvolve e aplica tecnologia para a segurança no trânsito. Continuar lendo